Eficácia e bem estar na recuperação
+55 (31) 3582-9983
contato@hilotherm.com.br

CIÊNCIA

O HILOTHERM, como solução médica, resultou do conhecimento adquirido pelos profissionais da área dedicados ao processo de recuperação de tecidos lesionados.

O HILOTHERM foi desenvolvido a partir desse conhecimento, para satisfazer às indicações médicas.

INDICAÇÃO MÉDICA 
IMPORTÂNCIA DO SUPRIMENTO DE 
OXIGÊNIO E DE NUTRIENTES
Edemas e hemorragias obstruem consideravelmente o suprimento de oxigênio e de nutrientes nos tecidos danificados. Assim, o paciente pode sofrer problemas circulatórios associados com a hipertermia de processos inflamatórios nas partes afetadas do corpo.

• Depois de ferimentos ou cirurgias, o suprimento de oxigênio e de nutrientes dos tecidos afetados fica consideravelmente prejudicado.
• A velocidade do metabolismo aumenta à medida que o tecido se superaquece devido à inflamação da área afetada.
• A necessidade de oxigênio consequentemente aumenta na mesma proporção.

AS CONSEQUÊNCIAS
A área danificada não mais recebe suprimento de oxigênio na quantidade necessária para sua manutenção e regeneração.

Devido a essa falta de oxigênio (isquemia), ocorre:
• Um maior número de células morre;
• Proteínas que se ligam a líquidos ficam livres para acelerar a formação de edema;
• Inicia-se um circulo vicioso que leva à degeneração hipóxica.

Diminuição da necessidade de oxigênio na área afetada

PAPEL DAS FUNÇÕES VASCULARES
• Na cirurgia reconstrutiva, a dilatação vascular após transplantes com a própria pele e tecido do paciente (skin flaps) trabalha positivamente no processo de recuperação pós-operatório;
• Essa dilatação vascular se consegue pelo aquecimento das áreas afetadas;
• O aquecimento não seletivo conduz a um aumento na temperatura do corpo e a um aumento associado na temperatura do tecido ao redor da área afetada pela cirurgia.

AS CONSEQUÊNCIAS
• Existem vários efeitos colaterais para os pacientes, inclusive aumento do risco de infecção.

INDICAÇÃO MÉDICA
Aplicar apenas o calor exato, de baixa intensidade, na área afetada, com controle de temperatura bem preciso.

RESPOSTA TERAPÊUTICA
Como processo termal de regeneração, O HILOTHERM age nas partes afetadas do corpo,  tanto através da hipotermia quanto da hipertermia.
As temperaturas aplicadas são reguladas com precisão, numa faixa que varia entre +10°C até +38°C, seguindo a indicação médica. 

O EFEITO DO HILOTHERM NA NECESSIDADE DE OXIGÊNIO
• A necessidade de oxigênio é claramente reduzida;
• Uma redução de temperatura na parte afetada do corpo em torno de 10°C reduz a velocidade do metabolismo em torno de 50%;
• O consumo de oxigênio é, da mesma maneira, reduzido;
• Assim, a quantidade de oxigênio que chega até o ferimento torna-se suficiente para sua regeneração.

O PROBLEMA: Após cirurgias ou ferimentos, o consumo de oxigênio é maior. No entanto, o fornecimento de oxigênio fica prejudicado, resultando num déficit que inibe a recuperação. 

A SOLUÇÃO: O HILOTHERM reduz o consumo de oxigênio e o adapta ao seu ritmo de fornecimento.

O EFEITO DO HILOTHERM NA REMOÇÃO DE POLUENTES
• Para remover poluentes através da drenagem linfática, a temperatura do tecido também deve ser reduzida;
• É de particular importância, contudo, que a temperatura não caia abaixo de 15°C, caso contrário a drenagem linfática fica prejudicada.


O EFEITO DO HILOTHERM NAS FUNÇÕES VASCULARES

• A fim de influenciar positivamente o influxo e o refluxo através das artérias e das veias (pela dilatação vascular forçada), uma aplicação térmica de baixo limiar e de localização precisa é importante (por exemplo, nos transplantes de pele);
• Um pré-requisito para isso, entretanto, é o fornecimento de uma temperatura precisa, controlada a 38°C, que deve ser aplicada apenas à área ao redor da lesão, o que é possibilitado por nossos equipamentos.

Condição para o processo regenerativo:

TEMPERATURA CONTROLADA COM PRECISÃO
A exata temperatura do tecido é crítica da seguinte maneira:
• Abaixo de 15°C, a drenagem linfática fica prejudicada;
• Abaixo de 10°C, o metabolismo e a drenagem linfática são prejudicados;
• Abaixo de 5°C, os nervos param de transmitir impulsos;
• No outro extremo, no caso de aquecimento dos tecidos: se a temperatura aplicada for de 38,5°C em vez de 38°C, o risco de degeneração protéica existe, mesmo com essa pequena variação.


A solução para todos esses casos está no HILOTHERM, um processo de regeneração térmica com controle preciso e constante da temperatura durante todo o tratamento. 

Dependendo da indicação, a temperatura do tratamento varia de +10°C até +38°C, enquanto a aplicação deve ser limitada às partes do corpo afetadas.

 

Hiloterapia ©2017